A HISTÓRIA DE GEORGE, O SOLITÁRIO.

 

O réptil da foto, era a tartaruga mais famosa do mundo. Seu nome era George, o solitário. Recebeu este nome, pois era o ultima da sua espécie, o que restou de uma população de tartarugas gigantes que viviam em uma das ilhas Galápagos, a ilha Pinta. Ele morreu em 2012, aos 100 anos e tornou-se mais uma das espécies extintas recentemente.

 

Embora, sua população não fosse muito grande ela se manteve relativamente estável por séculos. Mas a partir do século 18, a ilha tornou-se um posto de parada para navios baleiros, cujo os marinheiros apreciavam a carne das tartarugas. A ilha foi ocupada por humanos, que trouxeram animais indesejados, como ratos, que predavam os ovos das tartarugas. No inicio do século 20, algumas cabras foram soltas na ilha e, em menos de meio século, na ausência de predadores e parasitas, aproveitaram seu potencial reprodutivo, e originaram um rebanho de mais de 40.000 indivíduos. O pastoreio das cabras impactou a vegetação, deixando as tartarugas sem alimento.  Em 1971, quando se pensava que as tartarugas gigantes já estavam extintas, George foi encontrado e passou a viver em cativeiro em um centro de estudos animais. Sua idade foi estimada no momento da sua morte em cerca de 100 anos, sendo que se esperava que poderia viver por cerca 150 anos.

 

George foi taxidermizado, e encontra-se em exposição no museu de História Natural de Nova York.

 

Fonte: