Prof. Marco Nunes

Editor do  Nerd Cursos - Biologia

Um portal de materiais de estudos para o Enem e vestibulares

Vitória da Conquista - Bahia - Brasil

Contato: profmanunes@gmail.com

Se preferir comentar por email.

ROTEIRO DO PODCAST

3 – O fim da era dos antibióticos

Música da Abertura: ZZ top – La Grange

 

Olá estudantes e professores! Sou o professor Marco Nunes e este é o podcast semanal do Nerd Cursos, um portal gratuito de materiais de apoio ao estudo para o Enem e vestibulares.  O tema deste podcast é sobre a revolução do uso dos antibióticos na medicina do século XX, seu uso indiscriminado e o desenvolvimento de bactérias resistentes.

 

Uma introdução ao assunto, ao som da Banda Titãs, o pulso.  

 

Imagine uma descoberta que possibilitasse a cura de várias doenças fatais e que permitisse salvar a vida de milhões de pessoas. Pensou? Ela já aconteceu! Foi a descoberta dos antibióticos. Os antibióticos são medicamentos fantásticos, seus efeitos chegaram a ser comparados a um milagre. Antes dos antibióticos, muitas pessoas morriam de doenças que hoje não são mais consideradas fatais, como a pneumonia, sífilis, gonorreia, febre reumática e tuberculose.

 

A descoberta do primeiro antibiótico foi feita por Alexander Fleming em 1928, enquanto trabalhava num hospital de Londres, na Inglaterra, em busca de uma substância que pudesse ser usada no combate a infecções bacterianas. Em suas pesquisas, Fleming fazia culturas de bactérias, ou seja, as colocava numa placa cheia de nutrientes e em condições ideais, para que crescessem e multiplicassem, a fim de poder estudá-las. Um dia, o pesquisador esqueceu em cima da mesa do laboratório, placas de cultura de uma bactéria que causavam graves infecções em humano. Ao retornar, percebeu que algumas dessas placas estavam contaminadas com mofo, um tipo de fungo, e que havia uma área transparente ao redor do mofo, indicando que não havia bactérias crescendo naquela região. Aparentemente, o fungo estava secretando uma substância que matava as bactérias. Fleming identificou o fungo como sendo Penicillium notatum e, por isso, chamou a substância produzida por ele de penicilina. Posteriormente, descobriu-se que a penicilina matava também outros tipos de bactérias, e o melhor: que ela não era tóxica para aos humanos, o que significava que poderia ser usada como um medicamento. Alguns anos depois, outros pesquisadores conseguiram produzir penicilina em escala comercial. Assim, estava inaugurada uma nova era para a medicina, a era dos antibióticos e durante algum tempo, acreditou-se que os antibióticos decretariam o fim das mortes humanas provocadas por infecções bacterianas. Entretanto, atualmente, observamos o surgimento de muitas bactérias resistentes aos antibióticos. Parece que num futuro, não muito distante poderemos voltar a ter sérios problemas para tratar as doenças bacterianas.

 

Vamos aprofundar um pouco o assunto

 

Ao fundo você ouve o Hip hop do Mabili com a música Mudanças. 

 

A palavra antibiótico tem origem grega e significa contra a vida – não contra a nossa, mas contra a vida das bactérias. Os antibióticos são substâncias químicas, naturais ou sintéticas, com capacidade de impedir a multiplicação de bactérias ou de as destruir. Antibióticos, não são indicados contra os vírus. Os antibióticos naturais, geralmente são produzidos a partir de fungos. Os fungos produzem antibióticos contra as bactérias para diminuir a concorrência por alimento, já que ambos ocupam o mesmo nicho ecológico, são decompositores. Quando um fungo produz um antibiótico ele está eliminando um competidor. Este processo de inibição é um exemplo de uma relação ecológica desarmônica, chamada antibiose.

 

Mas como surge bactérias resistentes?

 

Em uma população de bactérias, algumas são muito sensíveis a presença dos antibióticos, sendo mortas com pequenas doses. Mas algumas, são mais difíceis de serem mortas, necessitando de doses mais altas e períodos mais prolongados de exposição. Ainda podemos encontrar bactérias insensíveis aos antibióticos. Sendo assim, é natural e inevitável, que o uso de antibióticos selecione nas populações bacterianas os indivíduos resistentes. O uso excessivo e incorreto de antibióticos desde seu lançamento comercial tem acelerado o processo de seleção de bactérias resistentes.

Na medicina, médicos abusam da prescrição de antibióticos, indicando-os muitas vezes sem necessidade, para tratar sem eficiência viroses. A prescrição errônea ocorre por falhas de diagnóstico, excesso de zelo e mesmo por pressão dos pacientes que enxergam no uso de antibióticos um sinônimo de tratamento mais eficiente.

 

O uso de antibióticos tem sido muito intenso na criação de animais para a alimentação humana, como aves, peixes, porcos e gado. Mais da metade dos antibióticos produzidos são utilizados para esta finalidade. Os antibióticos vêm sendo administrados para o tratamento de doenças da criação e também de forma preventiva, muitas vezes incorporados diariamente as rações animais. Outra justificativa para o uso intenso de antibióticos é que eles aceleram o ganho de peso dos animais, por eliminar bactérias naturais do tubo digestivo que captam parte dos nutrientes alimentares.

 

O uso exagerado de antibióticos seleciona bactérias resistentes nos animais de criação e estas bactérias são transmitidas ao homem pela alimentação. Em humanos imunodeprimidos, como recém-nascidos, doentes e idosos, algumas destas bactérias podem causar doenças e como são resistentes a muitos antibióticos são de difícil tratamento.  

Frente a esta grave situação, as soluções são: diminuir o uso de antibióticos, especialmente na criação de animais e continuar a desenvolver novos medicamentos, mas isso, é um processo muito lento.

 

Além do processo de seleção natural, as bactérias podem tornar-se resistentes aos antibióticos. Há dois mecanismos: a ocorrência de mutações e a transferência de resistência entre bactérias.

 

As mutações, são mudanças raras e aleatórias no DNA. O único cromossomo bacteriano possui os genes que coordenam a atividade básica da célula. Mutações neste DNA cromossomal podem gerar a produção de novas proteínas que dificultam a entrada, inativam ou expulsam os antibióticos para fora da célula.

 

A transferência de resistência entre bactérias pode ocorrer de várias formas.

 

Quando uma bactéria morre, fragmentos do seu DNA são liberados no meio e podem ser absorvidos por outras bactérias. Caso, o DNA absorvido contenha a informação para resistência antibiótica, a resistência foi transferida. Este processo é chamado transformação bacteriana. Se o DNA absorvido não for incorporado ao DNA cromossomal ele ficará livre no citoplasma da bactéria na forma de um DNA extracromossomal, chamado plasmídeo.

 

Bactérias podem unir seus citoplasmas por pontes citoplasmáticas e trocar os plasmídeos. Caso, o plasmídeo possua informação relacionada com resistência a antibióticos, a resistência é transferida. Este processo, é chamado conjugação bacteriana.

 

A transferência de resistência pode ocorrer também através de vírus. Quando o material genético de um vírus é introduzido em uma bactéria, ele pode incorporar material genético bacteriano. Os vírus formados, podem infectar outras bactérias, incorporando ao DNA bacteriano, o DNA de outra bactéria. Este processo é chamado transdução bacteriana.

O podcast acaba por aqui, mas nossa interação pode continuar em www.nerdcursos.com.br/podcasts. Lá você pode ler o roteiro do programa, esquemas de estudo e alimentar o podcast com dúvidas e comentários que podem dar origem a outros programas.

 

Participaram deste episódio: ZZ top, a Banda Titãs, Mabili e eu, o prof. Marco Nunes que estou sempre selecionando os assuntos mais importantes nos vestibulares.

Ligue

Tel: em breve

Contato

 

Siga

© 2015 por NERD CURSOS

  • facebook
  • YouTube Social  Icon